Fórmula 1

Senna na Williams

Depois de um forte boato na segunda-feira, a Williams confirmou a contratação de Bruno Senna para a temporada 2012. Com isso desbanca o veterano Rubens Barrichello, que ocupou a vaga em 2010 e 2011. Adrian Sutil corria por fora, e tinha poucas chances, se comparado aos brasileiros. Pesou à favor de Senna, que será parceiro de Pastor Maldonado, os fortes patrocínios, da Embratel, Gillette/P&G e principalmente da OGX – de Eike Batista -, que, somados, segundo especulações da imprensa européia, giram em torno de 30 milhões de reais.

Com este anúncio, o time de Grove põe fim às espectativas que vinham desde o término da temporada passada, aumentou bastante na semana do natal, depois esfriou um pouco até ontem “ferver” de vez. Acompanhei tudo pelo Twitter meio “por cima”, e notei duas reações predominates. Alguns aprovaram o anúncio e “metiam o pau” em Barrichello. Outros condenaram a decisão de Frank Williams e não escolhiam adjetivos muitos agradáveis para Bruno. O mais comum era chamá-lo de piloto-pagante, o que não significa, obrigatóriamente, falta de capacidade. Não concordo nenhuma dessas opiniões.

Não enxergo o automobilismo dessa forma. Procuro não denegrir a imagem do piloto “A” porque prefiro o “B”. Reconheço a qualidade do Rubinho, ninguém permanece 19 anos em um ambiente tão competitivo quanto a F1 sem méritos. Lógico que tem deficiências, que podem ter lhe custado o tão sonhado título, mas não o vejo como o completo incopetente que muitos pregam por aí. Por outro lado, acredito que veteranos como ele e o Trulli poderiam dar espaços para alguns garotos talentosos que estão à beira da categoria esperando uma boa oportunidade. Agora que perdeu a última vaga boa, se é que podemos chamar assim, visto os últimos anos da Williams, não creio que valha a pena se sujeitar à Hispania. Ele não merece isso.

Quanto à Bruno Senna, ele utilizou as ferramentas que dispunha. Se por um lado começou tarde no automobilismo, 20 anos, está usando a força do sobrenome para equilibrar o jogo. Isso é mais do que válido. Ser piloto pagante não é nenhum demérito na fórmula 1 contemporânea. Analisando friamente, Fernando Alonso também é. O Santander deixa um caminhão de dinheiro em Maranello. Claro que pode haver injustiças, o que não é o caso, mas o motorsport é caro. Alguém precisa pagar a gasolina e os pneus. E será o Eike.

Desejo sorte ao primeiro sobrinho. Não podemos esperar muito dele, pois a Williams não a mesma do seu tio, mas quem sabe não é o início de uma retomado de Sir Frank? Ao Barrichello, espero que ele tire um tempo para descansar e curtir a família. Depois respire outros ares, como os campeonatos de turismo ou endurance. O automobilismo não resumi-se à f1.

Anúncios

1 thought on “Senna na Williams”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s