Fórmula 1

Geração Schumacher

Michael Schumacher mudou a história da Fórmula 1 na Alemanha. Primeiro piloto alemão à, realmente, fazer sucesso na categoria, segundo disse Livio Oricchio à rádio Estadão ESPN, incentivou uma geração de garotos que, 20 anos depois depois de sua estréia, dividem a pista com o hepta-campeão.

Questionado em uma coletiva pré-GP, junto aos compatriotas, Michael  desconversou e exaltou as montadoras germânicas, que sempre investiram no automobilismo mundial, proporcionando oportunidades à jovens talentos do país. Vettel seguiu a mesma linha na resposta, citando que existiu épocas em que os italianos eram maioria, ou franceses, e hoje há somente dois italianos e nenhum francês. Rosberg, por sua vez, afirmou que esta ascensão alemã no esporte à motor deve-se muito à ele.

Todos tem razão. Schumacher influênciou a garotada alemã, assim como Senna no Brasil, que também teve Emerson Fittipaldi antes de si, e Alonso na Espanha, hoje. Existe um ciclo que acompanha grandes campeões. O próprio Vettel, se continuar brilhante, terá no futuro, talvez, uma “Geração Vettel”. Além disso é necessário um grande investimento e incentivo às categorias de base, pois é um esporte caro em todos os níveis.

Graças à esta combinação, de investimento de grandes empresas e um grande campeão, a Alemanha ocupa 25% do grid da categoria máxima do automobilismo mundial nesta temporada. Espero que o Brasil retorne um dia à um patamar já ocupado antes, com não somente quantidade, mas também com qualidade. Reconheço que Barrichello e Massa são bons pilotos, porém o veterano não tem equipamento que torne-o protagonista na briga pelo título, e, quando teve, foi superado por seu companheiro. Estou considerando somente 2009, pois na Ferrari ao lado de Schumacher poucos pilotos teriam chances. Felipe já esteve no topo, passa hoje por má fáse, e tem tempo para recuperar. Em 2010, Bruno Senna e Di Grassi estrearam em equipes que não deram nenhuma chance à eles de mostrarem seu talento.

Voltando aos alemães, Vettel tem o bi-campeonato em suas mãos e tudo indica que será tão grande quanto o seu ídolo.”Os recordes existem para serem batidos e o Sebastian está a caminho disso. (…)É um bom amigo, pelo que não terei problemas se ele bater os meus recordes. Sinto que ele o mereceria, porque terá trabalhado para isso.“, disse o piloto da Mercedes GP. Sebastian já superou, nesta temporada, o aproveitamento de Schumacher, 90,6% contra 84,7%, em seu melhor ano, 2002, pela Ferrari.

Anúncios

1 thought on “Geração Schumacher”

  1. Achei interessante a observação colocada por aqui. E é verdade: Schumacher influenciou uma geração, tal como aconteceu em outras eras. Sem tirar nem pôr, está no ponto. E o Vettel foi influenciado pelo Schumacher, ele já reconheceu isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s